João Pessoa: 25 de fevereiro de 2024

Promotor que está no topo da lista de ‘decretados’ à morte pelo PCC desmente protagonismo de Moro na remoção de presos

Publicado em: 23 de março de 2023

 

Brasil 247

 

 

Um dos alvos do PCC, o promotor paulista Lincoln Gakiya está no topo de uma lista de sentenciados à morte pela facção, os chamados “decretados”, segundo os serviços de inteligência do Governo de São Paulo.

Gakiya é coordenador do principal grupo do Ministério Público de combate ao crime organizado. Ele assumiu o posto em 2018, quando assinou os pedidos de transferência de integrantes da cúpula da facção para o sistema federal – entre eles o de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como principal chefe do grupo.

Segundo integrantes dos serviços de inteligência, Gakiya tomou o primeiro lugar de mais odiado pelo PCC do ex-secretário da Segurança Pública Antonio Ferreira Pinto. Até 2018, Ferreira Pinto liderava tal lista por causa de ações letais da PM contra membros da facção, realizadas durante a gestão dele (de março de 2009 a novembro de 2012).

Antes mesmo de o pedido ser acatado pelo Judiciário, os órgãos de inteligência do governo paulista detectaram a fúria de criminosos contra o promotor. Tal descontentamento ficou materializado em uma carta aprendida em dezembro daquele ano, com uma ordem da cúpula para matá-lo.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, os motivos que levariam Sergio Moro a entrar na lista do PCC ainda são alvo de análise por parte de integrantes das forças de segurança de São Paulo. Isso porque, até o final de 2022, o nome do ex-juiz e senador pela União Brasil não constava de lista dos serviços de inteligência paulista sobre os “decretados”.

Isso enfraquece a tese de que ele poderia ter entrado na mira da facção criminosa por ter participado da transferência de presos ao sistema federal em 2019.

Em outubro de 2022, o promotor Lincoln Gakiya chegou a rebater a afirmação, feita pelo ex-juiz em uma entrevista, de que a transferência de Marcola teve participação de Moro.

“É mentirosa a afirmação de Moro que após dois meses de governo eles ‘determinaram’ a remoção do Marcola para o sistema federal”, disse em mensagem à Folha de S.Paulo.

Compartile:

Tags: