João Pessoa: 1 de março de 2024

Prefeitura de João Pessoa e HULW realizam primeiro transplante de córnea pela rede pública na Paraíba

Publicado em: 6 de março de 2023

O desejo de voltar a enxergar será uma realidade para os pacientes da rede pública de saúde da Paraíba, pois já é possível a realização de transplante de córnea gratuitamente a partir de uma parceria da Prefeitura de João Pessoa e o Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW), por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O primeiro procedimento foi realizado nesta segunda-feira (6) na unidade hospitalar.

“Este é um momento histórico. O HU tem mais de 40 anos e pela primeira vez faz um transplante de córnea. E queremos expandir também para fígado e coração. É a Universidade em parceria com a Prefeitura prestando serviço que a população tanto precisa”, declarou o prefeito Cícero Lucena, logo após visitar a paciente cirurgiada.

O momento foi acompanhado também pelo reitor da UFPB, Waldney Gouveia. “Essa triangulação tem sido frutífera e agora gera iniciativa inovadora de transplante de córnea. A população é quem se beneficia dessa parceria”, declarou.

A primeira paciente beneficiada foi Samara Pessoa de Sousa, de 31 anos. Nesta manhã, a alegria e ansiedade tomaram conta da estudante que perdeu a visão de um dos olhos há aproximadamente seis anos. “A emoção é intensa só em pensar que vou poder voltar a enxergar. Já são três anos que estou na lista de espera pelo transplante e foi uma surpresa quando me ligaram semana passada. Então fiz os exames necessários e, depois da cirurgia, será uma vida nova”, disse.

O secretário municipal da Saúde, Luís Ferreira, afirmou que a ação faz parte de uma política de independência do serviço público em relação à rede complementar. “Pela primeira vez no Estado se faz um transplante de córnea 100% pelo SUS e essa é a prova de que tudo que o serviço público é capaz de fazer”, declarou. Ele estava acompanhado da secretária executiva, Janine Lucena.

Para o superintendente do HULW, Marcelo Tissiani, este momento é um marco para a saúde pública na Paraíba. Ele ressaltou a parceria do hospital com a Prefeitura de João Pessoa. “É um grande passo que só foi possível com o trabalho da nossa equipe clínica e administrativa junto à Secretaria Municipal de Saúde, pois sem o empenho e a colaboração conjunta isso não seria possível. É muito importante ressaltar que a prefeitura sempre está de mãos dadas com o Hospital Universitário, sendo uma das fontes financiadoras de repasses que subsidiam a assistência hospitalar”, afirmou.

Tissiani ainda destacou a complexidade de estrutura necessária para a realização de transplantes de córnea. “A habilitação é bastante rigorosa, devido aos vários critérios de exigências como um corpo clínico especializado e uma estrutura hospitalar com porte suficiente para atender tamanha complexidade”, pontuou.

O HULW recebeu autorização para realizar retirada e transplante de tecido ocular humano em janeiro de 2023 e os procedimentos serão realizados pela equipe da Unidade de Oftalmologia com a coordenação da médica oftalmologista Camila Gadelha. Inicialmente deverá ser realizado um transplante por semana.

“A cirurgia tem duração de aproximadamente 60 minutos e o paciente tem uma recuperação rápida. Em torno de 15 dias, ele já começa a ver nítido e aos poucos vai melhorando. No pós-operatório há o controle do astigmatismo e, em torno de três meses, ela deverá estar totalmente reabilitada”, explicou Camila Gadelha.

Segundo dados da Central de Transplantes, até o final do ano passado, havia uma fila de 256 pessoas aguardando uma córnea. Na Paraíba, a doação pode ser de órgãos (coração, fígado e rim) ou de tecidos (córneas), e ocorre apenas por meio da autorização da família. Os órgãos doados são destinados a pacientes que aguardam em uma lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Estado da Saúde, controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT), e coordenado pelo Ministério da Saúde.

  • Texto: Thibério Rodrigues e Arthur Araújo
    Edição: Katiana Ramos
    Fotografia: Sérgio Lucena/ Ivomar Gomes/Ascom-HULW

Compartile:

Tags: