João Pessoa: 1 de março de 2024

Lula se encontra com Biden nesta sexta-feira em retomada das relações com EUA

Publicado em: 10 de fevereiro de 2023

Portal WSCOM com Reuters

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a Washington nesta quinta-feira (9) como convidado à Casa Branca pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em uma visita que se concentrará no apoio à democracia brasileira e nos compromissos ambientais compartilhados.

O governo dos EUA está avaliando se juntar ao Fundo Amazônia, que visa combater o desmatamento da floresta amazônica, uma contribuição que poderá ser anunciada durante a reunião de Lula e Biden, disseram duas autoridades dos EUA com conhecimento direto do assunto.

As relações entre as duas maiores democracias do Hemisfério Ocidental foram mornas sob o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, um aliado do ex-presidente norte-americano Donald Trump.

“A visita é uma retomada da relação bilateral que esteve um pouco em banho maria desde a vitória de Biden”, disse Michel Arslanian, secretário para as Américas do Itamaraty.

Lula visitará Biden na tarde de sexta-feira, depois de se reunir com o senador Bernie Sanders e parlamentares democratas pela manhã.

O Itamaraty disse que o apoio à democracia, aos direitos humanos e ao meio ambiente estarão no centro da agenda de Lula em Washington.

“O encontro oferecerá oportunidade para dar impulso renovado às relações entre o Brasil e os Estados Unidos, tendo por base a defesa das instituições democráticas, o combate ao discurso de ódio e à desinformação, a promoção dos direitos humanos e o combate à mudança do clima”, afirma nota do Ministério das Relações Exteriores.

O Brasil também está ansioso para que mais países contribuam para o Fundo Amazônia, uma iniciativa de bilhões de dólares desenvolvida por Alemanha e Noruega para financiar a conservação da floresta amazônica e o desenvolvimento sustentável.

Uma contribuição dos EUA para o Fundo Amazônia, administrado pelo Brasil, sublinharia laços mais firmes entre as duas maiores democracias do Hemisfério Ocidental, depois de relações mais frias recentemente.

A delegação de Lula inclui a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, além dos ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e da Igualdade Racial, Anielle Franco.

O Brasil reforçou seu compromisso de proteger a floresta amazônica nesta semana, lançando uma operação de fiscalização contra garimpeiros ilegais que assolaram a Terra Yanomami na Amazônia.

Em seu governo, Bolsonaro flexibilizou proteções ambientais, incentivando a mineração e a extração de madeira na Amazônia e permitindo que o desmatamento na região atingisse o nível mais alto em 15 anos.

“O Brasil se apresenta novamente como um ator muito ativo na agenda ambiental. Comprometido com suas obrigações e com uma reativação dos instrumentos para proteção ambiental, mas também buscando o engajamento dos países envolvidos em termos de financiamento para a mitigação e adaptação climática”, disse Arslanian.

O Brasil também está interessado no acesso preferencial ao mercado de defesa dos EUA e nas vendas de equipamentos do Pentágono, disse Arslanian a repórteres.

Questionado sobre a pressão do governo dos EUA para que Brasília apoie a Ucrânia em sua guerra com a Rússia, o diplomata disse que o Brasil permanece neutro e pede diálogo para alcançar a paz.

O encontro de Lula com Biden representa uma demonstração de apoio às instituições democráticas do Brasil, que foram pressionadas com a recusa de Bolsonaro em admitir a derrota nas eleições de outubro e a invasão das sedes dos Três Poderes por bolsonaristas radicais em 8 de janeiro, uma semana após a posse presidencial.

Bolsonaro voou para a Flórida dois dias antes da posse de Lula e pediu visto de turista para ficar nos Estados Unidos.

Uma autoridade dos EUA com conhecimento da situação disse que o governo norte-americano foi levado a crer por interlocutores que Bolsonaro voltará ao Brasil após o Carnaval.

As autoridades brasileiras se recusaram a comentar sobre a viagem de Bolsonaro e disseram que era um assunto para as autoridades de imigração dos EUA.

Compartile:

Tags: