João Pessoa: 17 de julho de 2024

Interpol usou drones para rastrear donos da Braiscompany, presos na Argentina; Casal queria fugir para Dubai

Publicado em: 1 de março de 2024

Redação / Portal WSCOM

A Interpol usou drones para rastrear durante uma semana os movimentos de Antônio Inácio Neto e sua esposa Fabrícia Campos, que foram presos nesta quinta-feira (29) na Argentina. Eles são os fundadores da empresa Braiscompany, sediada em Campina Grande, na Paraíba, e investigada por um esquema de pirâmide financeira que teria lesado milhares de pessoas no Brasil.

Segundo o jornal argentino Clarín, o casal usava identidades falsas como “João Felipe Costa” e “Maria Fernanda Costa” e vivia em um condomínio de luxo em Escobar, na província de Buenos Aires, onde foram capturados. Eles entraram na Argentina por via terrestre, através de Puerto Iguazú, próximo a Foz do Iguaçu, no Paraná, e planejavam fugir para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde teriam contas bancárias.

O casal foi condenado pela Justiça Federal de Campina Grande a penas que somam mais de 140 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, organização criminosa e estelionato. A Braiscompany oferecia rendimentos de até 20% ao mês aos investidores, mas na verdade se tratava de uma pirâmide que dependia da entrada de novos clientes para pagar os antigos.

Agora, a Justiça Federal da Paraíba deve solicitar a extradição do casal, para que eles possam responder pelos crimes no Brasil. O Brasil e a Argentina têm um acordo que permite a extradição de pessoas acusadas ou condenadas por crimes comuns.

 

Tags:

Compartile: